Seguidores

terça-feira, 23 de março de 2010

Jericoacoara _Ceará

Cá estou de volta, com energia renovada depois de uma viagem deliciosa. Muitos trabalhos novos, feitos antes da viagem, que aos pouquinhos vou postando. Nosso destino foi Jericoacoara -CE e sem sombra de dúvida, preciso dividir algumas coisas que vimos e registramos. Este destino foi escolhido a dedo, pois é assim que programamos nossas viagens, com calma e muita pesquisa.
Senta, que lá vem estória......e história.....
A enseada de Jericoacoara, esta localizada há cerca de 300 km de Fortaleza, protegida por uma "cordilheira" de dunas, que dificultou por muito tempo a acesso de exploradores às suas imaculadas terras. No dia 16 de novembro de 1952 foi inaugurado o farol de Jericoacoara, localizado a 120 metros do nivel do mar, no topo de um dos serrotes que delineiam a enseada, cuja construção foi dirigida pelo Capitão Jorge Leite da Silva.
Jericoacoara é um palavra índigena que significa "Jacaré quarando, bronzeando ao sol", devido ao formato do serrote, que visto de alto mar tem o formato de um jacaré deitado, "quarando" ao sol. Outra seria de origem tupi-guarani "buraco das tartarugas", por Jeri (Praia Malhada) ser local de desova de tartarugas. Foi descoberta pelo turismo em meados da década de 70.
Em 1984, o governo brasileiro, por ato do então presidente, o General João Batista Fiqueiredo, determinou a área de Jericoacoara como sendo de proteção ambiental.

Em Jeri, não há iluminação pública nas ruas, levamos lanterna, mas não é necessário. Existe uma rede elétrica subterrânea, para preservar a iluminação natural...isto é, lua, estrelas. É um clima mágico, passeios gostosos á noite, apenas havaianas nos pés, de dia , de noite. Poucos lugares, aceitam cartão de crédito, então o melhor é levar dinheiro, pois também não há caixas eletrônicos.
É possível, caminhar quilometros, de praias desertas, apenas, hora ou outra, a passagem de buggys, motos (veiculos bastante usado pelos nativos, pela sua praticidade).
É possível também praticar e ter aulas de esportes radicais, como kitesurf, windsurf, surf.

Como chegar a este paraiso?

- De carro, de preferência tração4X4, local a combinar, comumente do aeroporto, até Jeri, com preço médio de $400,00.

- Outra opção é ônibus pela Viação Redenção, com embarque na Avenida Beira Mar, Aeroporto e Rodoviária, que opera a linha Fortaleza-Jijoca( em média 5 horas de viagem), com conexão para jardineira que leva até Jeri (em média mais uma hora). Á viagem de ônibus é bem tranquila, com ar condicionado, boas poltronas, em dois horários (baixa temporada), um cheio de paradas e outro direto. Fizemos a viagem de ida á noite, e de volta de dia. Na chegada em Jijoca, o ônibus é substituido por uma jardineira, totalmente ventilada, com cortininhas que vão balouçando ao sabor do vento...e haja solavancos. Uma aventura...indiscrítivel! É possível comprar as passagens, via internet, http://www.redencaoonline.com.br/ , dá tudo certinho.

-Helicóptero, a maneira mais rápida, confortável e também a mais cara. Para consultar preços acesse www.fortalezabeaches.com/voos-para-jericoacoara.html. Enfim , escolha é sua.

Onde ficar:

Jeri oferece inúmeras opções de hospedagem, que cabe em qualquer bolso. Na baixa temporada é possível ir sem reservas, pois ao descer da jardineria, não importa a hora, sempre terão pessoas ofertando locais para hospedagem, nos mais diverso preços. Nós optamos por pesquisar e escolher uma pousada acolhedora, demoramos a optar, mas valeu a pena. Ficamos na Pousada Nova Era, acolhedora, bonita, cheio de árvores, flores, com a atenção muito especial de duas italianas, mãe e filha, Virginia e Paola. Fica na Rua do Forró, quase em frente ao tradicional Forró de Jeri, mas não incomoda...aliás é muito díficil alguma coisa incomodar em Jeri. O Forró começa tradicionalmente ás 23:59 horas e não adianta chegar mais cedo...vai esperar.

Onde comer

O que encanta em Jeri, é que tem opções para todos os gostos e "gastos". Pouco dinheiro, não significa comida ruim, sempre encontrará uma casinha acolhedora oferecendo comida caseira a preços pequenos.

Lugares que fomos e indicamos:

-Restaurante Carcará - Rua do Forró . Extremamente charmoso, comidinha saborosa, preço justo. Coisas artesanais lindas, na decoração e para vender. Oferece pratos típicos do sertçao nordestino;

-Leonardo da Vinci - comida italiana, massas íncríveis, molhos saborosíssimos. Impossível ir apenas uma vez, principalmente por ser acolhedor, aproveite e bata um bom papo com Enzo,italiano, que é muito sim´pático e boa prosa;

- Sabor da Terra - comida caseira e muito deliciosa;

-Bistrogonoff - pequinininho, fica numa das ruas transversais. Comida deliciosa...preço justo. Sentar e ver o movimento na rua a frente, que é estreitinha tem lá o seu charme. Confira!
-Restaurante Dona Amélia- êta comida boa, caseira, bem temperadinha, os peixes deliciosos, preço bom.

-Café Brasil- em frente ao Bistrogonoff, vale a pena uma parada para um bom café, saladas ou massas ,nas mesinhas que ficam na calçada. Charmosíssimo!;

-Shopping da Tapioca da Tia Angelina - não deixe de experimentar a melhor torta de banana de Jeri e de quebra uma tapioca. Além de tudo é um cantinho muito simpático e muito simples. Fica na Rua Principal; gente, me esqueci da cocada...divina!!!

-Bar Sky era nossa parada a noite. Sentados em frente ao mar, luz de velas(dessas bem simples...uma velinha dentro de um pote de vidro, pintadinho), música de qualidade, alguns dias música ao vivo (MPB), sossego, um bom papo, e ficar olhando as estrelas...é bom demais! E a menina que atende é muito simpática! Vale a pena experimentar os pratos oferecidos.

-In Trigo é uma padaria pequena, vizinha do Leonardo da Vinci, com pães italianos...deliciosos. Retangolos de presunto e queijo, ciabatta, focaccia...não deixe de experimentar. O dono (italiano), uma simpatia, se encantou com as camisas do Palestra Itália de marido;

- Pão quentinho também na Padaria Santo Antonio do seu Antonio...pão quentinho feito no forno à lenha.Horário de funcionamento das 2:00 da madrugada às 8:00 hrs da manhã....perdeu hora,fechou! O pão de queijo...de dar água na boca! Dizem que o horário é para alimentar os boêmios de Jeri.

Além desses tem muitos outros restaurantes legais, que ouvimos comentários de outras pessoas. Tem também açais deliciosos, sorvetes de frutas, crepes e trufas, em muitos cantinhos simpáticos e bonitinhos.

O melhor de tudo, é que em todos os lugares pudemos conversar com pessoas nativas, muito simpáticas ou estrangeiros, que vieram, se encantaram e não sairam de Jeri e que nos deram muitas dicas...e nos contaram muitas estórias...e isso é bom demais!

Passeios

Não precisa procurar, eles são ofertados não importa aonde esteja hospedado. O melhor mesmo, é ir lá pelas 8:30 hrs na Rua Principal e acertar os passeios lá. Fica mais fácil dividir, os passeios de buggy e menos chance de ser enrolado. O passeio de buggy é em média 180,00 para 04 pessoas, mas é possível ir de jardineira, a cavalo, de charrete, depende do local.

- Pedra Furada - um arco enorme esculpido nas pedras pela ação das águas e do vento. Fomos, eu e marido, sós, fazendo trilha. O inicio da trilha é na Praia da Malhada. Fomos e voltamos duas vezes, uma vez pela trilha, na maré alta, e outra vez, parte pelas pedras, maré baixa. É possível acertar este passeio de buggy, quadriciclo,cavalo ou charrete. Mas se é aventureiro, não troque e faça trilha. Tênis não dá para realizar esta trilha, o melhor é uma havaiana, pois muitas vezes, irá tirá-la. O tênis além de encher de areia, é muito quente! Leve uma sacola térmica, de alça longa, com água gelada, protetor solar, lanterna (nunca se sabe), canivete, barras de cereais ou castanha....não se esqueça de colocar boné e máquina fotográfica. Aliás, em todos os passeios é imprescíndivel, água, protetor e máquina fotográfica. Aproveite as paradas, quando dá acesso ao mar, para se refrescar...não arriscar ir mais longe no mar, muitas pedras...melhor evitar acidentes! Também é aconselhável, fazer trilha sózinho. Encontrará pelo caminho, dezenas de lagartos, que fogem assustados. Este passeio é fantástico e belíssimo. Esticamos até a Praia do Frade, que dizem ser uma praia de nudismo...embora não sejamos adeptos, e pela informação que tivemos com um senhor, seu Elias, "nunca vi nada, não". É uma caminhada e tanto, e voltamos, uma vez, pelo Serrote, indo até o Farol e depois descendo para Jeri. Esta caminhada, ida e volta, dura, com paradas, em média, quatro horas. Quantas pessoas, encontramos? Dá para contar nos dedos.
Farol - Serrote é o nome de uma pequena serra, onde fica o Farol, no seu ponto mais alto, a 120 metros de altura, com uma vistas mágica do Oceano Atlântico. Seu funcionamento é através de energia solar. Ponto estratégico para ver o nascer do sol e da lua. Na descida, aos poucos, o pequeno vilarejo é visto, ao pé das dunas. De barco,em alto mar, é possível identificar, neste ponto, onde está o Farol, um jacaré "quarando" ao sol.
Passeio cavalo marinho - No Mangue Seco é possível ver os cavalos-marinhos. Optamos por não fazer este passeio,no caminho das lagoas, paga-se $10,00, e o barqueiro, pega os cavalos marinhos e os coloca num vidro para os turistas verem. Aguardamos o casal, com o qual dividimos o buggy, pois não concordamos com esta ação, embora os retirem da água da forma recomendada, para preservá-los. Hoje, só teem cavalos marinhos pretos, pois os coloridos, foram acabando, pois turistas-comerciantes compravam a $1,00, para abastecer aquários. Hoje, a lei é mais rigorosa e recebem orientações do Instituto Chico Mendes, de modo a preservar estes peixes. Mesmo assim, fico pensando que eles estão lá sossegadinhos e de repente...bum..são içados para satisfazer a curiosidade das pessoas. Imaginem, quantos cavalos marinhos eles retiram, no dia a dia, para os turistas verem, embora devolvam ás águas? Pobrezinhos!!

Lagoa do Paraíso- areias brancas, águas cristalinas, pássaros, muito verde, coqueiros, realmente é impossível não"desligar a tomada". Outro mundo!!! Pura tranquilidade! Água de cocô geladinha, sol...êta vida boa! E redes, presas em pedaços de madeira, dentro da água, quer coisa mais refrescante? A Lagoa de Jijoca é dividida em duas lagoas: Azul e Paraiso. São lagoas de água doce, com extensão calculada em 15 km ( alguns dizem que pode chegar a 57 km). Os nativos dizem, que ás águas das lagoas são ainda resultantes das chuvas de 2009, quando choveu fartamente. Este ano, ainda as chuvas não vieram, e esperam até o dia 19/03, dia de São José, senão chover, indica que as águas não viram. Entre janeiro e março, as chuvas são intensas, o que não aconteceu este ano, e isto é muito preocupante. É possível, nos passeios, ver algumas lagoas já com pouca água, como a Lagoa do Coração, as dunas do Funil, esta já está seca.


Préa - fica á 9 km de Jeri, e é uma aldeia de pescadores, com ventos constantes, próprios para a prática de kitesurf e windsurf. Lugarzinho sossegado, parada obrigatória para apreciar o mar, os barcos de pescadores, a natureza, povo acolhedor e simples.

Árvore da Preguiça - pela ação dos ventos, realmente ela tem que se recostar suavemente sobre a areia. É possível, ver dezenas, de todos os tamanhos, como que cansadas se apoiando nas areias brancas. Com galhos retorcidos, e com folhas ao sabor do vento, parecem longos cabelos de uma mulher, ou um homem, como quiser.

Guriú - fica a 10 km de Jeri é uma pequena vila de pescadores. A travessia é feita de balsa, pelo rio Guriú, que encontra ás águas do mar (pororoca). É passagem obrigatória a caminho de Tatajuba e Camocim. Aqui é o limite entre os municípios Jijoca de Jericoacoara e Camocim. Na ida com a maré baixa, ela desliza com a ajuda de dois balseiros e varas fincadas para mover a balsa, mas na volta com a maré alta, o trabalho se intensifica e é preciso mais pessoas para remar.

Manguezal - na saída da balsa, entramos num manguezal, que fica do lado direito, com árvores com imensas raízes áereas, formando desenhos interessantes, que trincam o mar, criando um visual incrível. Daí prá frente, praias lindas, cheias de coqueirais, é também uma área de preservação ambiental.


Velha Tatajuba - vila soterrada pela ação dos ventos. Na década de 80, ventos que sopraram durante 7 anos, dia e noite soterraram com 150 casas e a Igreja da vila. Fica a margem direita da Lagoa Grande, que hoje está seca, devido a falta de chuva. Quando está cheia é possível atravessar, para a margem esquerda, onde fica Nova Tatajuba, de barco ou com veiculo com tração nas 4 rodas. Tatajuba se origina do nome de uma grande árvore que existia neste antigo povoado. Também área de preservação ambiental. Com uma parada para uma água de cocô geladinha é possível, ouvir a estória da Duna Encantada contada pela Dona Antônia, num misto de poesia e mágica. É a preservação da história feita pelos próprios moradores.

Duna Encantada - é a única duna fixa há 100 anos, conta Dona Antonia, ao falar da lenda da Duna Encantada. Diz que até hoje é possível, á noite, ouvir o som de forró que vem da duna, e quando lá chegam, tudo se silencia. Isso é bonito demais, não é mesmo?


Nova Tatajuba - situada a margem esquerda da Lagoa Grande, a 25 km de Jeri. Os moradores lutam para que Nova Tatajuba não tenha o mesmo destino de Jeri, com a invasão de turistas e comércio e procuram impedir que isto aconteça e acabe com a tranquilidade da vila. Bom nem é preciso falar, que as praias são belíssimas. Gente, olha só este poema escrito por um dos moradores de Tatajuba, num triste lamento pela invasão da vila:


"É um lugar tão bonito com paisagem e beleza não construido pelo homem, mas pela mãe natureza. Obriga mãe querida lhe ofereço a minha vida por ter feito essa grandeza.


Quem morar neste lugar bom resultado terá mas cuide com bem cuidado tem gente que quer tomar. E quem tiver seu quintal cuidar não é nada mal só não pode vacilar.


Tudo que estou falando vocês podem acreditar eu sou contra essa empresa que quer nos atormentar. Agora caros amigos vocês sabem o resultado nem o pequeno cercado vamos poder aumentar por causa dessa empresa que se encantou com a beleza desse lugar.

Duna do Funil (Tatajuba)- com 75 metros de altura para a prática de skibunda, embora o fundo completamente seco, pela falta de chuva. O duro mesmo é depois subir, mesmo com auxílio de uma corda! O nome funil é por conta do seu formato, rapidamente identificável.


Lagoa da Torta(Tatajuba) - águas cristalinas e azuis, com locais rasos, fundos, dá para simplesmente se refrescar, nadar, praticar kitesurf, ou ficar de bobeira deitada na rede, simplesmente vendo o tempo passar. Depois apreciar um peixe feito na hora, a sua escolha. A gente fica o dia inteiro e não vê a hora passar. Muitos jegues passam e tomam água na lagoa, num contraste, com as areias brancas, o azul azul e águas cristalinas. É possível também praticar o aerobunda, descendo por uma tirolesa e caindo na lagoa. Este passeio é digno de repetição, pois é muito bom mesmo!!!

Dunas petrificadas - a maioria das dunas são móveis, isto é, elas migram, mudando de lugar, pela ação dos ventos e tem também as que estão em processo de petrificação, isto mesmo estão petrificando, e teem um tom amarronzado, enferrujado. Coisas da natureza...

Duna do Pôr do Sol - embora seja a última citada, na realidade é a primeira que temos contato assim que chegamos à Jeri. Todos os dias, a partir das 17:15 hrs é possível, ver pessoas subindo a duna, num ritual, sem palavras, para presenciar o pôr do sol. Esta duna já foi mais alta, dizem os nativos, que já diminuiu 6 metros. Realmente este é um espetáculo sem palavras, tal beleza e mágica que o cerca. Sempre é bonito, com o céu limpo, ou com nuvens. O vento é tanto, que sentado é possível sentir a areia batendo na pele e pinicando ... faz parte. Após este espetáculo, na descida da duna, já é possível ver as rodas de capoeira que se formam na praia, parada obrigatória ao som delicioso dos berimbaus.


Fora estes passeios fizemos outros, caminhando e andando muito, apreciando a natureza e tirando muitas fotos, num total de 1.100 fotos. E em todas estas andanças, um dia ao fazermos trilha para Pedra Furada, na maré baixa, pelas pedras,tirando muitas fotos, ao vê-las à noite, não é que identificamos uma que é a cara do nosso cachorro Caju, e assim a batizamos "Pedra do Caju" e vocês poderão conferir no post com as fotos se não é real a pronta identificação.


Conhecemos e fizemos amigos que ficarão guardados em nossa memória, com muito carinho, .
As fotos guardam um pouco de toda esta beleza, mas não conseguem descrever as emoções e sensações experimentadas e vivenciadas em contato com toda esta natureza. Realmente é uma comunhão com Deus e certeza de que somos ínfimos diante de tanta grandiosidade, o que serve para exercitar a nossa humildade e gentileza para com a natureza, tão soberana e bela. Se puder, um dia vá...
Segue uma seleção de fotos, na postagem anterior, dos lugares comentados , o difícil foi selecionar as fotos...espero que gostem.

4 comentários:

Eduardo Miguel Pardo disse...

Olá Cidinha minha amiga!!! fico feliz por sua volta de um belo passeio, faz bem mesmo sair de nossa rotina a arte precisa deste processo de descanço.
Gostei muito deste seu relatório que já copiei para utilizar quando for ao Nordeste passear pelas praias maravilhosas, seja bem vinda minha amiga e um grande beijo.

Deusa disse...

Maravilhoso...a gente chega de baterias recarregadas....muita energia e o bronzeado?adoro Fortaleza,mas não conhece Jeri ainda...fica na agenda...quem sabe nesta ferias.
Um beijo
Deusa
vasinhos coloridos

Cor de Mel disse...

Olá Cidinha,
Este "post" é bem mais útil que qualquer Guia Turísitico. Fantástico!!
Beijinhos grandes,
Lia.

Maria Bettencourt Lemos disse...

Um Roteiro Turistico absolutamente fantástico!!!
Eu nem imagino o quanto foi fantástica esta viagem...
Um abraço,
Maria Lemos